Acessibilidade
28 de Janeiro de 2019 15:26

Aluno de Ciência da Computação propõe plataforma digital que auxilia construção civil

Desenvolvido por Ricardo Lima e outros quatro integrantes, projeto passará por testes e poderá virar startup.

 

Ricardo Lima, Luiz Henrique, Juliana Cadidé, José Boanerges e Cristina Matsunaga formaram a equipe campeã.

 

Aluno do sétimo período do curso de Ciência da Computação, Ricardo Lima é um dos campeões da etapa do Hackathon Code a City, competição promovida pelo Sebrae e Cesar com o intuito de estimular o empreendedorismo. Este ano, o evento aconteceu entre os dias 18 e 20 de janeiro em Recife e desafiou as pessoas que participaram a criar soluções inovadoras à construção civil.

Numa equipe com mais quatro participantes, Ricardo e seus parceiros criaram uma plataforma online que tem objetivo de deixar a gestão do engenheiro mais eficiente nas áreas de compras e materiais. Ela permite maior assertividade na aquisição e consumo dos produtos, além de garantir controle no orçamento. A plataforma proposta também gera relatórios de receitas, alerta o uso dos insumos e também faz arquivamento de notas fiscais. “Nossa plataforma veio para ser amiga do responsável pelos custos de uma obra. Ela pode analisar e indicar melhorias em seu processo orçamentário, não tem gastos, mudanças drásticas em aquisição de software e não precisa de treinamento”, garantiu Ricardo.

Para o coordenador dos cursos de Tecnologias da UNIFG, Raoni Oliveira, o universitário que participa de desafios como este, entende melhor o mercado profissional por se envolver em soluções rápidas para problemas existentes. “Com tecnologia podemos resolver problemas do mundo real em pouco tempo, e muitas vezes, com baixo custo. Além disso, aguça a criatividade e insere o aluno num ambiente inovador”, aconselha.

O Hackathon Code a City faz parte da Plataforma Integrada de Geração de Startups (PIGS) e tem o objetivo de melhorar a qualidade de startups e ampliar a aderência das soluções que serão desenvolvidas. No projeto, Ricardo e a sua equipe ainda participarão da pré-aceleração (fase de testes) e aceleração (implementação do projeto), quando poderão levar o projeto a uma startup. Além da equipe de Ricardo, as equipes que ficaram em segundo e terceiro lugares participarão das próximas etapas do PIGS.